Segredos e Curiosidades da Culinária Japonesa


A culinária japonesa já não é novidade para os brasileiros. Segundo dados do Sindicato de Hoteis, Restaurantes, Bares e Similares, em 2012, só em São Paulo, os restaurantes japoneses somavam 600 endereços em São Paulo, contra 500 churrascarias. Conheça alguns segredinhos desta culinária e algumas dicas de etiqueta para não cometer gafes em restaurantes mais tradicionais.
 
Arroz
 
A maioria dos pratos japoneses é acompanhada ou tem como base o arroz. Ao preparar a iguaria procure arroz do tipo japonês com grãos pequenos e arrendondados. Sempre cozido sem óleo e sem tempero.
 
Sushi
 
O arroz para sushi deve ser temperado com uma mistura de vinagre de arroz, açúcar e sal. A regra geral é: quanto mais forte o recheio, mais salgada e menos doce a mistura com vinagre.
 
Facas
 
As facas essenciais para a culinária japonesa são duas: a deba, uma faca utilitária capaz de desossar uma grande variedade de peixes e a ianagui, uma faca longa capaz de fazer cortes perfeitos de sashimi.
 
Sashimi
 
Os peixes para sashimi sempre sempre devem estar muito frescos e com uma consistência firme. Os cortes devem sempre ser feitos contra a fibras para que seus resíduos não acabem nos dentes.
 
Acompanhamentos
 
Você já reparou que os pratos japoneses sempre vem acompanhados por pepino, nabo e gengibre? Estes ingredientes têm como objetivos refrescar o paladar e permitir que se sinta o sabor de cada prato sem a interferência do anterior.
 
Shoyu
 
Tradicionalmente, o shoyu deve ser servido em recipientes individuais. Ao temperar o seu sushi ou sashimi, evite que o arroz ou o wassabi entre em contato com o molho para que o molho não fique com o gosto do tempero ou resíduos do grão.
 
Toalhinhas
 
A toalhinha quente, o oshibori, disponibilizada pelos restaurantes serve para limpar as mãos antes das refeições, mas não ache estranho se vir alguém no restaurante limpando o rosto, é um típico costume japonês.
 
Sushiwoman
 
A crença de que apenas homens podem preparar a comida em restaurantes é resquício do machismo. Segundo o Hideki Fuchikami, chef do restaurante Hideki, a temperatura das mãos depende de outros fatores como, por exemplo, o tipo sanguíneo.
 
Palitinhos
 
Por mais deliciosa que a comida esteja, é considerado gafe chupar ou lamber os hashis. Da mesma forma que não se usa os palitinhos para apontar pessoas, gesticular com eles nas mãos ou espetar a comida.

Fonte: 
http://www.casaelectrolux.com.br/