Os benefícios para a saúde da culinária Japonesa


Ainda que o maior boom da imigração japonesa no Brasil tenha sido há mais de 100 anos, a popularização da culinária do país teve início apenas há alguns anos. Hoje, ela conquistou grande parte dos brasileiros e é vista, inclusive, como a versão oriental da culinária francesa, ainda que tenha um ar mais despojado e jovial.
 
"Na verdade, o conceito de ambas é bastante parecido, considerando-se que ambas priorizam o uso de ingredientes frescos e o preparo lento e cuidadoso de pratos ricos e com sabores especiais", analisa a nutricionista Karelin Kavallari.
 
A tradição milenar de culturas de arroz caracterizou esse alimento como a base da alimentação japonesa. Dessa forma, por esse carboidrato simples estar nos pratos em abundância, a culinária japonesa é apontada como calórica.
 
"Se formos pensar racionalmente, qualquer alimento que consumido em exagero pode se tornar uma bomba calórica, portanto é importante nunca exagerar na quantidade", completa Karelin.
 
Tendo em mente que muitos restaurantes que oferecem essa especialidade utilizam o sistema de rodízio, vale ressaltar a importância de seguir a tradição japonesa de se alimentar devagar, além de prestar atenção na quantidade consumida de cada variedade, até mesmo porque são muitas variedades de preparações.
 
Consumo dos peixes
 
Em relação aos ingredientes mais utilizados na culinária japonesa, a cultura favorável ao consumo dos peixes aconteceu em decorrência da introdução do budismo no século VI. A partir de então, diversos tipos de carnes e aves foram gradualmente eliminados dos hábitos alimentares por decretos imperiais.
 
"Antes do surgimento dos meios refrigerados, os peixes eram armazenados em arroz cozido para conservar, devido à produção de ácido lático pelo cereal durante a fermentação. Curiosamente, o peixe com sabor levemente ácido agradava o paladar, e assim surgiu o sushi originalmente", conta Karelin.
 
De acordo com a nutricionista, o consumo preferencial dos peixes traz muitos benefícios para a saúde pela pequena quantidade de gordura saturada em comparação com as gorduras protetoras, como o ômega 3, cuja ação principal é atuar como anti-inflamatório.
 
Além disso, os peixes contêm grande variedade de nutrientes, como, por exemplo, vitamina D, importante para a manutenção óssea e na modulação do sistema imune, e o selênio, um potente antioxidante, além de também atuar no sistema imune e no funcionamento da tireoide.
 
Gengibre
 
O gengibre também é bastante utilizado na tradição oriental, ainda que a versão mais utilizada seja em conserva. "O gengibre tem ação anti-inflamatória e antioxidante, além de atuar na melhora de enjoos e sensação de gases. Muitas pessoas relatam que o consumo do gengibre durante uma refeição típica da culinária japonesa ajuda a prevenir a possível formação de gases pela fermentação do arroz branco", conta Karelin.

Fonte: http://idmed.terra.com.br/